segunda-feira, 19 de novembro de 2012



Sabia que não ia ser fácil…e não foi mesmo.
Depois de ter perdido os meus pais, infelizmente aos poucos tive que solucionar a desocupação da casa e finalmente o fechar da porta de uma vez para sempre.
Não esperei que  fosse um sentimento  de perda tão violento.  Mas foi.  Foi ter perdido algo que  marcou a minha infância , adolescência , onde cresci e vivi momentos muito felizes,todo aquele espaço , era afinal o refugio de todas as minhas recordações
Os meus avós, o cheiro das confecções do Natal, a família à volta da mesa em que a fartura significava a mesa posta e o amor da família. As brincadeiras com o meu irmão . A amizade dos vizinhos, os serões em que a televisão era substituída pela conversa e troca de conhecimentos,  enfim,  tantas recordações que me  é difícil descrever o que sinto .
Já adulta , fiz todas as tentativas para que ela um dia fosse património da família.
Não consegui.
Passou para  propriedade da autarquia o que resultou muitos entraves. 
Ora  era  um ou outro motivo…. depois passou para  Património Municipal , e por fim o que me entristece é que  conforme as casas  vão ficando devolutas, são simplesmente entaipadas , dando um aspeto á parte antiga e nobre da terra um ambiente  triste e desumano
Os presidentes mudam e como tal  mudam as suas opções  de governar, este senhor não é natural da terra e talvez não perceba que estar a descaracterizar a mesma,  é destruir Património que identifica os mais antigos e serve de história para as novas gerações.
Afinal não é nada de novo, vamos mais uma vez assistir a mais uma zona em que o betão e os interesses instalados  se sobrepõem à vontade dos municipes.
Como eu gostaria de passar   na rua e  ver, a porta entreaberta, roupa estendida,  sentir que a casa ( não sendo minha ) continuava a ter VIDA.

8 comentários:

Evanir disse...


A verdadeira amizade jamais é esquecida
por mais distante que eu esteja meu pensamento estará sempre contigo.
Linda é nossa amizade estou passando por uma chuva
não chamaria de tempestade , pois tudo Jesus resolve.
Sem sua amizade e dedicação não teria sido possivel continuar
meu coração faz uma festa quando vejo seu carinho no meu blog.
Nessa segunda feira estou passando para desejar uma semana abençoada por Deus.
E aproveitar para deixar meu carinho e mil beijos meus.
Carinhosamente ,Evanir.
Devagar Voltando...

Maria disse...

Imagino o que sentis-te Arco Iris. Deve ser de facto muito difícil. E é ainda mais por ser assim e ficar uma casa abandonada e destruída. Os Municipes que são eleitos pelas pessoas da terra devima dar valor à terra e ás suas gentes, mas em vez disso apenas pensam nos seus próprios interesses, é triste mas é verdade.
Um abraço Arco Iris e que essa tristeza passe depressa ou então que seja suavisada pelo passar do tempo.

bjs

AvoGI disse...

Eu imagino pois tb sou uma apaixonada pelas recordaçoes
kis .=)

Naná disse...

Arco Iris, não se faz... não se invoca o titulo de Património e depois deixa-se ao abandono, quando no fundo, talvez quem era herdeiro de plena posse teria feito muito mais para preservar uma casa que encerra tanta recordação e tanto simbolismo!

Espero que um dia ainda possa ver a casa ser devolvida ao seu antigo esplendor!

Tanita disse...

Para mim o que fazem às casas é um tremendo crime, deveriam preservar a arquitectura.
E depois também há o lado sentimental e desse? ninguem quer saber.
Um beijinhos grande**

Arco Iris disse...

Obrigada a todas pelas palavras de carinho.
As raízes estão lá e agora é viver das recordações, sobretudo das boas.
Bjs

estrela disse...

Nós somos um povo muito agarrado às nossas coisas, eu afeiçoei-me a esta casa e pronto mesmo sendo pequena não consigo deixá-la...imagino sendo a casa onde viveste a tua infância!
Pode ser que ganhes o Euromilhões e depois tornas a coloca-la tal como era!
bjs

Su disse...

Os meus pais sempre viveram numa casa arrendada, e depois de falecerem tive de passar por isso.
É um fechar de porta que custa muito e uma parte de nós fica por trás dessa porta :(